segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

TURISTAS AUMENTAM EM COIMBRA...

Número de turistas que visitam a Universidade de Coimbra duplicou em quatro anos

Posted by 

(Foto DB/Luíz Carregã)

O número de turistas que visitam a Universidade de Coimbra mais do que duplicou em quatro anos, passando de 160 mil em 2012 para 355 mil em 2015, disse à agência Lusa o vice-reitor Luís Menezes.
Neste ano, 355 mil turistas de mais de 60 países diferentes visitaram a Universidade de Coimbra (valor contabilizado até 21 de dezembro), registando-se um aumento de cerca de 20% face a 2014, em que passaram pela instituição 293 mil visitantes, informou Luís Menezes.
Quanto à origem dos visitantes, em primeiro lugar surge França, que representa 23% do total de visitantes, seguida depois do Brasil e Itália com 10%, segundo e terceiro respetivamente, Espanha com 09%, Alemanha também com 09% e em sexto Portugal, com 08% dos visitantes (em que estão também incluídas as visitas escolares).
Um dos mercados que está a crescer “é o dos Estados Unidos da América”, que passou de 4% dos visitantes totais para 6%, antevendo-se um aumento em 2016, acompanhado de uma aposta de promoção da Universidade de Coimbra naquele país, frisou Luís Menezes.
Para 2016, a Universidade de Coimbra já tem 150 mil pré-reservas. No entanto, o vice-reitor considera que não é sustentável continuar a crescer a um ritmo de dois dígitos por ano (nos últimos anos o número de visitantes tem crescido cerca de 20% ao ano).

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

CHUVA REGRESSA COM O SEU NATAL 2015...

A chuva está para vir. Saiba o tempo no Natal

Se quer aproveitar o sol deve fazê-lo só até ao próximo domingo: a partir daí já se espera chuva. Saiba ainda que tempo esperar no Natal e na Passagem de Ano.

Se já tinha ponderado guardar o chapéu de chuva por mais uns tempos, prepare-se para voltar a abri-lo. A entrada na quadra natalícia pode trazer chuva a partir deste domingo e durante a próxima semana, indica a previsão meteorológica da AccuWeather, uma companhia norte-americana que estuda o clima internacional.
De acordo com os esquemas apresentados pelo Instituto Português do Mar e Atmosfera, esta quinta-feira já traz as nuvens, que não vão dar tréguas aos arquipélagos, nem às cidades de Castelo Branco, Portalegre, Sines e Sagres na sexta-feira. Mas é a partir de domingo que os portugueses vão sentir o inverno na pele. A chuva começa a cair, mas as temperaturas mantêm-se estáveis até ao final do mês, com algumas abertas até dia 23 de dezembro. Depois, dê as boas-vindas ao novo ano com o sol a brilhar.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

O MARICAS...


Um homem foi a uma festa de fantasia com roupa de caçador. Chegado lá, viu um maricas vestido de leopardo. O homem para brincar com o maricas pegou na espingarda e deu 2 tiros ...
O maricas caiu e ficou prostrado no chão.
O homem disse:
-Esses tiros não foram reais, seu mariconso. Pode levantar-se.
E o maricas respondeu:
-Áiiii, não quero saber, caça é caça. Se matou, tem de comer
 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

ALUNO PORTUGUÊS TIRA 20 EM QUÍMICA...

Aluno tira 20 em Química...
 

Seja quem for que tenha escrito isto, aluno ou não, merece um vinte.

Na prova do Curso de Química, foi-lhe perguntado:

- Qual a diferença entre SOLUÇÃO e DISSOLUÇÃO?

Resposta de um aluno:

- Colocar UM dos POLÍTICOS PORTUGUESES num TANQUE DE ÁCIDO para que
 DISSOLVA é uma DISSOLUÇÃO. Colocar TODOS é uma SOLUÇÃO!*

E completou:


"Se se Liofilizar, teremos o mais puro Extrato de Pó de Merda do mundo!"

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

OPINIÃO DE UM PROFESSOR CHINÊS...

-A EVIDÊNCIA.
 
 
 
 
 
Opinião de um professor chinês de economia,  sobre a Europa - o Prof. Kuing Yamang,  que viveu em França 
 
Descrição: D064F46655124FB7B6CAC399CF9DA27E@angela
Kuing Yamang
 
 1. A sociedade europeia está em vias de se auto-destruir. O seu modelo social é muito exigente em meios financeiros. Mas , ao mesmo tempo, os europeus não querem trabalhar. Só três coisas lhes interessam: lazer/entretenimento, ecologia e futebol na TV! Vivem, portanto, bem acima dos seus meios, porque é preciso pagar estes sonhos ...

2. Os seus industriais deslocalizam-se porque não estão disponíveis para suportar o custo de trabalho na Europa, os seus impostos e taxas para financiar a sua assistência generalizada.

3. Portanto endividam-se, vivem a crédito. Mas os seus filhos não poderão pagar 'a conta'.

4. Os europeus destruíram, assim, a sua qualidade de vida empobrecendo. Votam orçamentos sempre deficitários. Estão asfixiados pela dívida e não poderão honrá-la.

5. Mas, para além de se endividar, têm outro vício: os seus governos 'sangram' os contribuintes. A Europa detém o recorde mundial da pressão fiscal. É um verdadeiro 'inferno fiscal' para aqueles que criam riqueza.

6. Não compreenderam que não se produz riqueza dividindo e partilhando, mas sim trabalhando. Porque quanto mais se reparte esta riqueza limitada menos há para cada um. Aqueles que produzem e criam empregos são punidos por impostos e taxas e aqueles que não trabalham são encorajados por ajudas. É uma inversão de valores.

7. Portanto o seu sistema é perverso e vai implodir por esgotamento e sufocação. A deslocalização da sua capacidade produtiva provoca o abaixamento do seu nível de vida e o aumento do... da China!

8. Dentro de uma ou duas gerações, 'nós' (chineses) iremos ultrapassá-los. Eles tornar-se-ão os nossos pobres. Dar-lhes-emos sacos de arroz...

9. Existe um outro cancro na Europa: existem funcionários a mais, um emprego em cada cinco. Estes funcionários são sedentos de dinheiro público, são de uma grande ineficácia, querem trabalhar o menos possível e apesar das inúmeras vantagens e direitos sociais, estão muitas vezes em greve. Mas os decisores acham que vale mais um funcionário ineficaz do que um desempregado...

10. (Os europeus) vão diretos a um muro e a alta velocidade...
 

sábado, 15 de agosto de 2015

SE ISTO FOR VERDADE.........



PAVOR NO VATICANO

Agora vem à luz que "talvez" foi de fato o assassinato de João Paulo I, já que iam fazer o mesmo com Bento XVI, que por isso renunciou, e confidenciou ao Papa Francisco que não seria a PRIMEIRA VEZ.
A conservadora "máfia" vaticana tentará bloquear as mudanças que o Papa Francisco quer fazer. Oxalá, ele consiga realizá-los! A situação atual não é melhor do que a de, quando reinava o Papa Rodrigo Borgia, aliás, Alejandro VI. Há muitos interesses. Comentários que circulam entre a comunidade de inteligência em Roma, na Itália, indicam que setores radicais conservadores da Igreja Católica Romana começaram fazendo duras críticas e ataques ferozes contra o Papa Francisco, através dos meios de comunicação, sites webs e redes sociais por sua atitude reformista. Entre os argumentos de ataque dos radicais conservadores católicos, estão:

*1. O Papa Francisco rompeu com a tradição e violou o rito vaticano ao realizar o lava-pés da Quinta-feira Santa fora dos muros vaticanos, na prisão dos menores "Casa de mármore", em Roma, incluindo dois muçulmanos e duas mulheres não católicas. Este é um fato inédito na história e tradição dos rígidos rituais da Igreja Romana. O ritualismo vaticano da Igreja Romana sempre, por séculos, desde a sua fundação, havia marginalizado e não levado em conta a mulher nesses rituais. *
   Os conservadores olhavam com horror o "sacrilégio" do sorridente Papa Francisco, a quem chamavam ironicamente de "Papa Adulador", expressão depreciativa que se refere a alguém que sorri sempre e se dá bem com todo mundo.
*2. A negativa do Papa Francisco em morar no apartamento papal no palácio vaticano, decidindo, para a sua segurança pessoal, morar na residência Santa Marta, o hotel 4 estrelas do Vaticano, onde há muitas pessoas, e assim evitar o isolamento que rodeia o Papa ao morar no palácio Vaticano. O Papa Francisco quer estar ciente do que acontece ao seu redor e fora dos muros vaticanos. No apartamento papal estaria guardado e vigiado, de certa forma, controlado e mediatizado e, o mais essencial desinformado e à mercê das "hienas vaticanas" que já planejam tirá-lo do meio. 
*3. No encontro de almoço com Bento XVI no Castelo Gandolfo, este confiou ao Papa Francisco, que uma das causas que influenciaram em sua renúncia foram as ameaças que recebeu e por receio de ser envenenado, pois já haviam  tomado a decisão de matá-lo, pelo que Bento XVI, em uma jogada para neutralizar esse atentado contra a sua vida, torna pública a sua renúncia com a qual desarmou a tentativa do crime. (como aconteceu com João Paulo I, segundo dizem)
*4. O alto poder fixado na cúpula vaticana está totalmente oposta aos planos do Papa Francisco de reformar, eliminar, modificar a pompa, o ritualismo e o luxo e ostentação da Igreja Católica Romana. (Francisco tem um desejo e pensamento secreto que é o de permitir que a mulher possa ter acesso ao sacerdócio católico, o que teria um efeito tipo terremoto no meio dos que usam batina).
*5. A Cúria Romana e os grupos de poder repudiam que o Papa Francisco tenha feito um chamado público à Igreja Católica ao estreitar o diálogo e as relações com o Islã. Acusam-no de ser um relativista teológico.
*6. O Papa Francisco marginalizou os mais altos cargos vaticanos no ato e na cerimônia do lava-pés da Quinta-Feira Santa.
*7. Acusam o Papa Francisco de ignorar as regras e normas da Igreja Católica Romana, já que, como Papa, está atuando sem consultar, nem pedir permissão a ninguém para fazer exceções sobre a forma com que as regras eclesiásticas se relacionam com ele.
*8. A organização Opus Dei "Obra de Deus" proibiu (censurou) todas as suas livrarias "Troa", quanto à venda do primeiro livro sobre o novo Papa Francisco.
*9. A Promotoria Romana Anticorrupção fez importante confisco de centenas de caixas de documentos que comprometem e vinculam as finanças  vaticanas  e a importantes personagens com a "máfia" italiana e gigantescas operações de lavagem de capitais e desvio de fundos vaticanos em um complicado mecanismo para desaparecer dinheiro. Este escândalo será o "Sansão" que derrubará as colunas que sustentam a Capela Sistina e todos os edifícios da pomposa e luxuosa estrutura vaticana.
*10. Tanto o "Opus Dei", a "Maçonaria Iluminati", importantes e influentes setores bancários, económicos, setores mafiosos italianos, os próprios Cardeais que formam a "máfia e o poder vaticano", sentem-se em iminente perigo pelo confisco destas caixas de documentos supremamente comprometedores por parte da Promotoria Romana Anticorrupção e por parte do Papa Francisco que tem toda a intenção de sanear e controlar as finanças vaticanas e todos os negócios e investimentos deste multimilionário Estado religioso.
*11. Outra das situações que deixaram extremamente enojados e furiosos estes grupos que sempre foram o poder por trás do poder, é que o Papa Francisco não está de acordo em que delinquentes com batina vivam em terreno vaticano, refugiados, escondidos, evadidos de enfrentar a lei. Por enquanto enviou instruções para todo aquele com contas pendentes com processos ou acusações penais, saiam do solo  Vaticano, já que em seu pontificado, o vaticano não será santuário de infratores da lei.
Imaginamos o que vem! Deus o proteja dos lobos que em grande número já começam a rodeá-lo para caçá-lo.
*É muito importante reenviar esta mensagem à maior quantidade de contatos e que as pessoas saibam, se inteirem,  TEMOS UM PAPA QUE IMPÕE A SUA AUTORIDADE, vamos ajudá-lo e apoiá-lo, compartilhando  esta mensagem para que todos saibam o que está se passando.


segunda-feira, 3 de agosto de 2015

quinta-feira, 23 de julho de 2015

VAI DE FÉRIAS? PREPARE-SE...


Já foram apresentados numa feira em Berlim, os kits de férias para alguns países da Europa.
A seguir mostramos o mais sofisticado para a Alemanha e um, ligeiramente mais modesto para
Portugal, que teve milhares de encomendas na ultima Nauticampo na FIL .
Não perca. Vá-se equipando !!!
Kits de férias:
  1. Alemanha
 2. Portugal



                                                           BOAS FÉRIAS!


      

  







sexta-feira, 17 de julho de 2015

LUXEMBOURG NÃO É PORTUGAL...



Propriété depuis novembre 2014 de la Banque et Caisse d’Épargne de l’État (BCEE), l’ancien siège historique de l’ARBED, avenue de la Liberté, a été partiellement recouvert d'un spectaculaire échafaudage.
Au moment du rachat du célèbre bâtiment auprès d’ArcelorMittal, la Spuerkeess avait prévenu qu’il lui faudrait engager des travaux de rénovation.
L’immeuble étant classé aux Sites et monuments depuis novembre 2013, il est toutefois protégé et des modifications importantes de son aspect extérieur ne sont pas autorisées. La durée des travaux engagés n’a pas été dévoilée.
(L'essentiel)

terça-feira, 14 de julho de 2015

É SÓ MAIS UM...MAS ERA POR ESTE QUE NÓS ESPERÁVAMOS!

Tribunal Constitucional legaliza Partido dos Reformados e PensionistasO Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) já foi legalizado pelo Tribunal Constitucional (TC), depois do tribunal ter pedido a reformulação dos estatutos do partido no processo de candidatura, disse à Lusa um dos fundadores do PURP.



"Recebemos a confirmação [da legalização] hoje, foi um sonho que se concretizou", afirmou o fundador do PURP António Mateus Dias em declarações à agência Lusa, ressalvando que agora o partido vai "travar uma luta muito grande".

"É uma coisa que nós andávamos a construir há quase cinco anos, é uma vitória para nós", declarou.
A ilegalidade apontada pelos juízes do Palácio Ratton a 23 de junho prendia-se com o facto de o projeto de estatutos prever que os membros do Conselho de Jurisdição integrassem também o Conselho Nacional, um órgão de direção política.
Na altura, contactado pela Lusa, António Mateus Dias disse ter-se tratado de um lapso que foi corrigido e a nova versão dos estatutos foi entretanto enviada ao TC para aprovação.
Com a aceitação do PURP como partido, passam a estar inscritos 23 partidos políticos no Tribunal Constitucional.
O TC deverá publicar nos próximos dias o acórdão com a decisão da legalização do PURP.


sábado, 11 de julho de 2015

O DIA MAIS LONGO PARA A GRÉCIA...

Grécia mais próxima da troika no IVA e nas pensões

Na proposta enviada à troika, a Grécia aceita mais medidas, tentando receber em troca financiamento mais longo e um compromisso de reestruturação de dívida.

As medidas de consolidação orçamental e as reformas que o Governo grego inclui na proposta que enviou quinta-feira à noite para Bruxelas representam uma aproximação significativa em relação ao que têm sido as exigências da troika, especialmente nas duas áreas que mais conflitos têm gerado no decorrer dos últimos cinco meses. Ainda assim, a proposta é para um financiamento a três anos, bastante mais do que os cinco meses que antes estavam a ser discutidos.
Tanto nas regras do IVA como na reforma das pensões, o Executivo de Alexis Tsipras – onde ainda decorrem discussões internas sobre o texto que se fará chegar à reunião do Eurogrupo de sábado – vai mais longe do que tinha feito na sua última proposta antes do referendo, aceitando por exemplo um IVA de 23% na restauração, avançando para o fim progressivo das isenções de que beneficiam as ilhas gregas e avançando de forma mais rápida para as medidas que colocam a idade de reforma efectiva nos 67 anos.

No entanto, uma comparação entre a nova proposta grega e aquelas que tinham sido feitas por ambas as partes antes do referendo não pode ser feita de forma directa. Antes, o que estava em causa (pelo menos do lado da troika) era um empréstimo de 7,2 mil milhões de euros, que apenas assegurava o financiamento do país por mais cinco meses, até ao final de Novembro deste ano. Agora, o que está a ser discutido é um novo programa de financiamento para os próximos três anos, com o Governo grego a propor a entrega faseada de 53,5 mil milhões de euros. Angela Merkel já deixou claro que, num programa a três anos, se terá de reforçar aquilo que é exigido.
Além disso, apesar de não estar explicitado na proposta que é conhecida, existe a expectativa do lado grego de que seja possível um compromisso por parte dos parceiros europeus em relação a uma reestruturação da dívida. Os líderes europeus têm revelado disponibilidade para aceitarem um acordo em que exista um novo alívio do peso da dívida. Isso não será feito contudo por via de um corte do valor da dívida nominal, que a Alemanha defende ir contra os tratados. Passará antes por medidas como o alargamento dos prazos de pagamento ou uma redução dos juros, à semelhança do que aconteceu já em 2012.
São estes os principais compromissos assumidos pela Grécia como medidas a tomar imediatamente para poder receber o financiamento (as chamadas "prior actions"):
IVA
Vários produtos deixarão de ter uma taxa de IVA reduzida para passarem para a taxa máxima de 23%, incluindo a restauração e os alimentos processados, que em anteriores propostas se mantinham nos 13%. Com uma taxa de 13% ficam os alimentos básicos, a energia, os hotéis e a água, sendo que a subida nos hotéis apenas ocorrerá a partir de Outubro. Com a taxa ainda mais reduzida de 6% ficam os livros, os medicamentos e o teatro. Nas ilhas, o Governo promete o fim das isenções (uma das exigências da troika que ainda não tinha sido aceite), mas esta será feita de forma progressiva até ao final de 2016. Primeiro, a partir de Outubro, nas ilhas com maiores rendimentos. Nas ilhas mais remotas e pobres, a alteração acontecerá até Dezembro de 2016, à medida que se encontram medidas fiscais de compensação para as populações que sejam neutras do ponto de vista orçamental.
Pensões
O Governo reconhece que  o sistema de pensões é insustentável e precisa de reformas. Por isso, compromete-se a levar por diante as reformas aprovadas em 2010 e 2012, nos primeiros programas da troika. Além disso, avança para poupanças no sistema que corresponda a um valor entre 0,25% e 0,5% do PIB em 2015 e 1% do PIB em 2016. Os desincentivos aos pedidos de reforma antecipada irão começar a ser aplicados de forma imediata (uma das exigências da troika que Atenas ainda não tinha aceite) por forma a que idade efectiva de reforma atinja os 67 anos em 2022. O complemento de reforma (EKAS) desaparecerá até 2019, com efeitos imediatos para os 20% de beneficiários com rendimentos mais elevados. Até ao final do próximo mês de Outubro, serão aprovadas mais reformas que aumentem a sustentabilidade do sistema e que entrem em vigor a 1 de Janeiro de 2016.            
Outras medidas de consolidação orçamental
Tal como já tinha ficado aceite antes, a Grécia compromete-se com um excedente orçamental primário de 1% já este ano, 2% em 2016, 3% em 2017 e 3,5% em 2018. Para o conseguir, além do IVA e das pensões, várias outras medidas estão previstas. A taxa de IRC subirá dos 26% para os 28%. As despesas militares serão cortadas em 100 milhões de euros este ano e 200 milhões em 2016. Diversas medidas de combate à fraude fiscal avançarão e introduzem-se alterações na política salarial e de gestão de pessoal na Administração Pública.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

CONFRONTO "BÍBLICO" NO PARLAMENTO...



Estado da Nação começa com frente-a-frente entre Passos e Ferro Rodrigues.

O líder parlamentar do PS, Ferro Rodrigues, confrontou o primeiro-ministro, durante o debate do Estado da Nação no parlamento, com os sete pecados capitais do governo. Passos respondeu-lhe com a adaptação de outra “imagem bíblica”: as dez pragas egípcias do PS.
Na abertura do período das perguntas ao governo, Ferro Rodrigues, começou por responder ao discurso de abertura do primeiro-ministro dizendo que Passos “fez propaganda numa base completamente irrealista”. E rematou: “acontece que no regresso ao passado são os senhores especialistas”.
O líder parlamentar do PS, pediu ainda a Passos Coelho que respondesse aos “sete pecados capitais”, que na última semana o líder do PS, António Costa, disse que o governo cometeu nos últimos quatro anos. O primeiro-ministro respondeu com outra imagem bíblica, as dez pragas que o PS deixou ao país até 2011. E elencou-as:
1-      As “obras faraónicas”- PPP  e o TGV
2-      Programas de estabilidade e de crescimento de “má memória que trouxeram cortes nos salários e aumento de impostos”.
3-      “Uma das maiores desigualdades em toda a União Europeia, em 2011 Portugal era um dos países mais desiguais”.
4-      Défices orçamentais” volumosos e ruinosos”.
5-      Défice externo nos  “10% na última década, até 2011”.
6-      “Desgoverno do sector empresarial do estado que acumulava divida operacional e financeira”.
7-      Nacionalização do BPN.
8-      Défice na electricidade, que “se não fosse este governo, estaria a aplicar aumentos nas taxas”
9-      “Endividamento galopante”
10-   Desemprego estrutural a cima dos 10%.​

BRICS REÚNEM-SE NA RÚSSIA...

BRICS reúnem-se na Rússia com Ucrânia, Grécia e terrorismo na agenda

Além da situação grega, a 15ª cimeira dos BRICS (Brazil, Rússia, Índia, China, África do Sul) também vai servir para abordar a questão da Ucrânia e o Estado Islâmico.

(Alexander Joe/AFP/ Getty images)

Os líderes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) iniciam hoje na Rússia uma cimeira de dois dias para discutir a crise da Grécia, a situação na Ucrânia e a ameaça do grupo Estado Islâmico.
“Durante um almoço de trabalho fechado, os líderes tratarão de toda a atualidade da agenda internacional, incluindo a Ucrânia, Grécia e a ameaça terrorista por parte do Estado Islâmico (ISIS, na sigla em ingês)”, anunciou na segunda-feira um assessor do Presidente russo Vladimir Putin, referindo que a cimeira terá lugar em Ufa, sudoeste da Rússia.
O tema central do encontro dos líderes do grupo de países com economias emergentes será, no entanto, “a situação económica e o mundo”, bem como a cooperação económica dos BRICS no seio do G20, acrescentou o porta-voz de Vladimir Putin.
A intenção da Rússia, que acolhe este ano a 15ª cimeira dos BRICS, é impulsionar a dimensão política deste fórum que nasceu com uma vocação eminentemente económica, e aumentar a cooperação entre estes países para potenciar a competitividade.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

UMA PIADA FINA...

Finalmente, uma piada fina!

SANGUE AZUL É OUTRA COISA !!!!!!!
- Marquesa, Senhora Minha, permitis que vos fecunde excelsamente?
- Sabei Marquês, Senhor Meu,  que ando com o período.
- Então Marquesa deixais-me profanar com galhardia Vossas Excelentíssimas e mui finas nádegas?
- Impossível Venerando Marquês, tenho hemorróidas.
- Oh imparável calamidade e vil destino, não me digais que também tendes anginas!...

sexta-feira, 26 de junho de 2015

3ª MEDALHA DE OURO PARA TELMA MONTEIRO...


Em dois minutos, Telma Monteiro ganha ouro nos Jogos Europeus em Baku!

 
Já está garantida a conquista da 3.ª medalha de ouro - e do 9.º pódio - de Portugal nos Jogos Europeus. Telma Monteiro venceu, esta quinta-feira, o torneio feminino de judo (- 57 kg).
Na final do torneio feminino de -57 kg, a judoca portuguesa derrotou a húngara Hedvig Karakas, por 'ippon' ( a mais forte penalização no judo e que termina o combate de imediato) ao fim de apenas 1.49 minutos. Com uma entrada de rompante (antes também já tinha pontuado por 'waza-ari'), Telma Monteiro garantiu a conquista da 9.ª medalha portuguesa nos Jogos Europeus, que estão a decorrer em Baku (Azerbaijão).
Ao mesmo tempo, a atleta do Benfica, de 29 anos, somou o seu 5.º título europeu de judo, já que a competição também conta como Campeonato da Europa da modalidade. Telma já tinha ganho o ouro nos europeus de 2006, 2007 (ambos em - 52 kg), 2009 e 2012 (exibindo ainda uma prata e cinco bronzes no palmarés).
No percurso até à final, em Baku, a n.º1 do ranking mundial já tinha afastado a sérvia Jovana Rogic (nja primeira ronda, por 'shido'), a holandesa Sanne Verhagen (nos quartos-de-final, também por 'shido') e francesa Automme Pavia (nas meias-finais, por 'waza-ari').
Antes da entrada em cena do judo (no qual, já esta quinta-feira, Sergiu Oleinic ficou à porta da medalha de bronze, em -66 kg), Portugal já tinha somado oito medalhas na edição inaugural dos Jogos Europeus. Duas foram de ouro: Rui Bragança (-58 kg) no taekwondo e no ténis de mesa por equipas (Marcos Freitas, Tiago Apolónia e João Geraldo). Quatro de prata: João Silva no triatlo, João Costa no tiro e Fernando Pimenta em K1 1.000 e 5.000 metros na canoagem. E outras duas de bronze: Júlio Ferreira (-80 kg) no taekwondo e a dupla Beatriz Martins/Ana Rente nos trampolins sincronizados.
eus

segunda-feira, 22 de junho de 2015

DESABAFO DE SPORTINGUISTA...

Há anos que repito aos meus amigos que sou adepto de "um clube essencialmente católico", o Sporting. Porquê? Porque "só ganha quando Deus quiser"!

Mas não era preciso exagerar, nomeando Jesus para treinador...

quinta-feira, 18 de junho de 2015

UMA MOSCA GREGA NA SOPA EUROPEIA...

Opinião

Uma mosca grega na sopa europeia


Com esta frase Paul Mason terminava o seu apontamento para o Channel4 inglês sobre a situação na Grécia. Aliás, de repente, todos têm analogias para a Grécia, há quem fale de moscas e há quem fale de cirrose, o que não é nada tranquilizante pois pode querer dizer que a Europa é alcoólica.
Todos os que exercem poder na Europa parecem preferir que a Grécia desapareça, pois tudo seria certamente mais simples sem esta grande "chatice" que é ter um "problema grego" – até há quem designe o país como cirrose, levando a questionar se a Grécia é o fígado da Europa e levando a concluir que a Europa é alcoólica em último grau e que, portanto, ou faz uma cura forçada, um transplante imediato ou morre.
Mas também o cidadão normal parece contagiado por sentir que é necessário ter uma opinião sobre a Grécia. "Eles que saiam", li num comentário num jornal online, outros dizem no Facebook  "não vou pagar reformas aos 55 anos quando aqui já vamos nos sessentas".
No fim de contas, como sempre, há desinformação a rodos, lançada pelos próprios intervenientes e muitas vezes mesmo por aqueles que deveriam zelar pela normalidade, isto é, os próprios governantes dos países Europeus e altos funcionários da Comissão.
Nestas negociações não há inocentes em lado nenhum, as posições estão polarizadas e há uma luta a ganhar e ou ganha a Grécia ou ganham os que se lhe opõem. Mas será mesmo assim? Talvez seja mais complicado do que isso.
À primeira vista tudo parece muito claro, há um país que se endividou brutalmente e portanto tem de ser responsabilizado e pagar. Certo? Talvez não. Indo por partes do geral para o particular.
Há várias lutas políticas em campo e depois há a população grega. Não quero dizer que a Grécia é o equivalente à Espanha de 1936 porque é forte demais, mas no campo das ideias talvez seja um bom ponto de partida para fazer um reset à espuma dos dias e ir mais fundo, onde está o que interessa para compreender o que está em jogo.
Em 1936 na Guerra Civil espanhola opunham-se duas forças no terreno, com aliados estrangeiros extremistas presentes em cada lado à direita e à esquerda e outros ausentes, como as democracias europeias. Escolho a Guerra Civil Espanhola porque foi definidora da evolução política dos anos seguintes na Europa tal como me parece que será a Grécia hoje.
Em 2015 não temos guerra com armas na Grécia (ou pelo menos ainda não a temos), mas temos uma guerra de palavras em curso entre duas posições extremadas, a do Syriza e a dos partidos que governaram antes dele (direita e esquerda, Nova Democracia e PASOK e todos os que se formaram após a sua desintegração).
Não vale a pena perder muito tempo com esta parte da história, pois após sete anos de austeridade em Portugal e na Europa toda a gente já teve tempo de escolher lados e assumir-se como Austeritário e apoiar governos que professam essas políticas ou assumir-se como não Austeritário e estar do lado dos que acham que a política deve ser de crescimento e ter austeridade quanto baste.
No entanto, porque o governo grego resolveu desafiar tudo o que se assumiu como correcto de ser feito sob a bandeira da austeridade ao nível político europeu e também na Itália, Espanha, Portugal e Irlanda, estamos realmente num momento definidor. Ou se começa de novo e se faz um mea culpa parcial, iniciando-se um novo período ou se continuará em frente para o ano sete da era da euro-austeridade.
Hoje estamos já num local muito distante da discussão sobre quem teve a culpa da crise ter surgido, se os governantes, se os bancos, se outra coisa qualquer. Neste momento essa é uma discussão que perdeu relevância, o que se está a discutir é se a solução maioritariamente adoptada na zona euro para lidar com a crise deve ou não continuar a ser a austeridade só por si.
A questão central é que os actuais governos alemão, português ou espanhol, os partidos que fazem parte de coligações no governo na Holanda e Finlândia, bem como ex-governantes nacionais, agora nas instituições europeias, têm bastante a perder se a base da sua política for colocada em causa de forma abrupta com uma qualquer viragem política rápida na Grécia – tanto mais que há eleições ainda a serem feitas em Portugal e Espanha este ano.
Por outro lado, toda a gente já percebeu que instituições como o FMI estão obsoletas, pois não estão estruturadas para lidar com países com moeda única. O que aconteceu durante as troikas foi um exercício de incompetência atroz por parte de executantes que não detinham o saber necessário para lidar com um fenómeno com o qual não se haviam antes confrontado. Uma vez largados no terreno apenas lhes restava continuar em frente para não perder a face.

terça-feira, 16 de junho de 2015

FENOMENAL PROVA DE ENTRADA PARA A UNIVERSIDADE...


FENOMENAL!!!

numa prova de entrada para a Universidade...


Questão: Interpretar o seguinte trecho de poema de Camões

'Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói e não se sente,
é um contentamento descontente,
dor que desatina sem doer'

Uma aluna deu a sua interpretação:

'Ah Camões, se vivesses hoje em dia,
tomarias uns antipiréticos,
uns quantos analgésicos
e Prozac para a depressão.
Comprarias um computador,
consultarias a Internet
e descobririas que essas dores que sentias,
esses calores que te abrasavam,
essas mudanças de humor repentinas,
esses desatinos sem nexo,
não eram feridas de amor,
mas somente falta de sexo!'

Teve nota máxima!

Foi a primeira vez, depois de mais de 500 anos, que alguém entendeu
qual era a ideia do Camões...
 

domingo, 14 de junho de 2015

UNIFORMIZAR, ACORDO ORTOGRÁFICO...

No outro dia, ouvi o Malaca Casteleiro dizer que o Acordo Ortográfico em que trabalhou incansavelmente ao longo de anos e anos teve por objectivo uniformizar a língua entre todos os países de expressão portuguesa.  Assim sendo, os brasileiros têm rabo ou somos nós que vamos passar a ter bunda? E as senhoras, as de cá passarão a usar calcinha ou são as de lá que usarão cuecas? De fato eles vestem fato ou nós, de facto, de futuro envergaremos terno? O governo de cá rouba-nos a grana ou é o de lá que lhes sonega o carcanhol? Passamos a ir à lanchonete ou são eles que vão ao café? Vamos beber um bagaço à tasca ou uma cachaça ao boteco? E o tipo que defende a baliza, é para eles guarda-redes ou, para nós, será goleiro? E como nos passaremos a mover? Nós de trem, ônibus, bonde, ou eles de comboio, autocarro, eléctrico? Esperamos pelo transporte na parada ou continuaremos a fazê-lo na paragem? Respeitamos a bicha na paragem ou antes a fila na parada? E aquele gajo porreiro, de pêra, que vai a sair da esquadra? Vamos ter que dizer que é um cara legal, de cavanhaque, a sair da delegacia? Se quisermos agrafar um relatório, recorreremos a um grampeador ou a um agrafador? E se o nosso fito é afiar um lápis, agarramos num apontador ou num apara-lápis? Fomos à privada e não usámos a descarga ou fomos à retrete e não puxámos o autoclismo? 

E por aqui, pela merda, me fico. Em castelo. À Casteleiro. Em bom português, do único, porque merda é merda, aqui ou no Brasil.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

PRAIA PEDAGÓGICA EM LAVOS...

Foto DB/JOT´ALVES
A Casa dos Pescadores da Costa de Lavos inaugurou ontem uma praia pedagógica, a única do concelho, fazendo visitas guiadas à fauna e à flora para cerca de 100 alunos locais, da Figueira da Foz e Soure.
A visita de estudo incluiu arte xávega e um palheiro – antiga casa típica de pescador. Este foi um dos vários eventos organizados pela Câmara da Figueira da Foz na coletividade para assinalar o Dia Mundial dos Oceanos (ver edição de ontem).
Do extenso programa só ficou de fora a assinatura do protocolo para a dinamização da praia pedagógica, entre a Casa dos Pescadores e a autarquia da Figueira da Foz.
“Ainda não foi formalizado” na reunião de câmara, justificou assim o vereador Carlos Monteiro ao DIÁRIO AS BEIRAS o adiamento da cerimónia. Não obstante a formalidade, as visitas vão continuar a realizar-se. Aliás, as de ontem não foram as primeiras.
Versão completa na edição impressa

segunda-feira, 8 de junho de 2015

CINCO POSTAIS PARA O GOVERNO...


Cinco postais para o governo (do sociólogo Boaventura Sousa Santos), - FAÇAM CIRCULAR

Esta já é antiga mas, como este governo fez orelhas moucas e vêem aí eleições, que tal voltar a repetir o conselho?
Será que é irrealista ou será que é contra os interesses partidários?
Deviam ser enviados às toneladas todos os dias para não nos tomarem por parvos...”
 


E IGUALMENTE PARA QUEM NÃO ESTÁ NA SITUAÇÃO DE REFORMADO!

O INEM ESTÁ DOENTE...

Saúde Ninguém se entende no INEM. Afinal, o que se passa?

De um momento para o outro, o INEM tornou-se assunto central da agenda mediática. Mas afinal o que se está a passar com o serviço de urgência?
 O presidente do INEM, Paulo Campos, e os técnicos da entidade, estão de costas voltadas. As condições de trabalho, pagamentos de ordenados e horas extraordinárias pontuam um dia de críticas de parte a parte e até de receios de que os meios falhem. Vamos então perceber o que se passa.
 Da parte do INEM, sugere-se que "existem mesmo SMS que incentivam ao absentismo e ao abandono do serviço” e critica-se ainda a "falta de profissionalismo” de técnicos, como cita a Lusa. Já da parte dos trabalhadores há uma exigência que começa a sobressair: o pedido de demissão do presidente da entidade.
Os técnicos de ambulância de emergência estão desde o início do mês a recusar fazer horas extraordinárias, protestando contra a falta de pagamento de subsídios e de horas extra e de mais cortes no salário.
Ricardo Rocha, do Sindicato dos Técnicos de Ambulâncias de Emergência, adiantou que desde há algum tempo se tem verificado haver técnicos de emergência obrigados a fazer 23 a 24 dias consecutivos de trabalho. As horas extraordinárias já ultrapassaram as 150 anuais "e ainda estamos no mês de junho", diz.
No mesmo tom surgem críticas de Rui Gonçalves, da Comissão de Trabalhadores. Os técnicos estão “a reivindicar aquilo que são os direitos básicos, o reconhecimento pelo trabalho prestado, o respeito acima de tudo, a carreira e as condições de trabalho”, disse esta manhã aos jornalistas, acrescentando que em causa poderão estar também dezenas de postos de trabalho e que “os técnicos estão exaustos e é necessário que o INEM cuide de nós”.
No entretanto, uma dúvida tem surgido na capital: haverá técnicos suficientes disponíveis para atender pessoas em caso de desastre? Da parte do INEM, admitia-se ao final da manhã que, entre as 21 viaturas, havia sete inoperacionais. Mas os números chegaram com uma ressalva: outras 75 ambulâncias, dos bombeiros da Grande Lisboa, estavam disponíveis para ajudar nos serviços de urgência.
Entretanto, já durante a manhã de hoje, o responsável máximo do INEM garantiu que que foram pagos até agora "todos os valores reclamados do passado" pelos trabalhadores, enquanto o pagamento dos subsídios de alimentação dos turnos extra começa a ser pago este mês.
Num dia em que o presidente do INEM reuniu com o secretário de Estado, o tom de críticas tem subido de parte a parte. E embora Paulo Campos tenha vincado que "não há um único posto de trabalho dos técnicos de ambulância que esteja em causa" e que ele próprio está a acompanhar a situação "com serenidade", a verdade é que do lado dos trabalhadores a relação parece ter chegado a um ponto de rutura, com o pedido de demissão de Paulo Campos já a fazer parte de algumas reivindicações que têm sido ouvidas.

sábado, 6 de junho de 2015

A FIGUEIRA E SUA EVOLUÇÃO...


Para fazer a travessia na Foz do Mondego, Figueira /Cabedelo o SARAMUGO com capacidade para 40 passageiros, veio reiniciar a ligação fluvial na Foz do Mondego!


Substituindo o "LUÍS ELVIRA" que até à década de 1970, fazia este serviço transportando estudantes, trabalhadores dos Estaleiros, turistas e a mim particularmente, quando me apetecia e tinha oportunidade de dar um mergulho nas calmas águas do Cabedelo, QUE SAUDADES!...

sábado, 30 de maio de 2015

PORTUGUESES QUE VIVEM NA AMÉRICA...

Portugueses que vivem na América são respeitados

O olhar dos portugueses no estrangeiro

Publicado em 2011-06-02

GUIDA CARVALHOSA, ESTADOS UNIDOS

Os portugueses que vivem na América são respeitados e altamente considerados porque são trabalhadores árduos e responsáveis.
 
Portugueses que vivem na América são respeitados
 
A crise portuguesa na América é vista num contexto mais vasto na crise europeia onde a Grécia e a Irlanda são vistos como os principais culpados e onde há um medo de que a crise se possa estender a Espanha. A solidariedade francesa e alemã é vista com muito cepticismo e cria bastantes dúvidas sobre este apoio à Europa "periférica" Os portugueses são fortes e dedicados. Como sempre Portugal irá sobreviver uma vez mais.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

POETA GOZADOR...

POETA GOZADOR

Pelo Rocio afora ia Bocage correndo uma tarde de 1795. Como havia rumores de revolta no norte do país, tudo quanto era extraordinário se tornava suspeito.
Além disso, Bocage ia gritando:
– Novas! Novas! Há novas!
Muita gente, na boa fé, seguiu Bocage correndo. Na Rua do Ouro, iam atrás dele mais de quinhentas pessoas. Bocage seguiu até ao Terreiro do Paço, e aí subindo a um banco do cais, rodeado de muita gente, pediu silêncio. Todos se calaram, para ouvir as “novas”, mas Bocage, mostrando as botas que trazia calçadas disse:
-Novas, compradinhas agora mesmo.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

‘QUOUSQUE TANDEM’...?

‘Quousque tandem’...?

1. Não foram precisos seis meses para que o Governo do Syriza, a golpes de inépcia, arrogância e irresponsabilidade, mostrasse como se afunda económica e financeiramente um país, colocando a Grécia de novo à beira da bancarrota.
O novo Governo grego herdou uma situação socialmente muito penosa - mercê da profunda recessão económica, do desemprego, da perda de rendimentos - mas esperançosa no plano económico e financeiro. No ano de 2014, pela primeira vez desde o "resgate" do país em 2010, a Grécia experimentava crescimento económico, diminuição do desemprego, saldo orçamental primário positivo, redução dos juros implícitos da dívida externa, perspetivas de regresso aos mercados da dívida e de saída do programa de assistência com a ‘troika', se cumpridas as obrigações em falta, mediante um "programa cautelar" de segurança. 
As perspetivas para 2015 eram otimistas em todas estas variáveis. O próprio Governo Syriza projetou o crescimento para 2,5%, superior ao de Portugal. Tudo se esvaiu em poucos meses. A economia começou a patinar, o país voltou a entrar em recessão, em contraciclo com o resto da Europa, e as previsões de crescimento caíram dramaticamente, oscilando agora entre zero e 0,5%. A cobrança de impostos caiu substancialmente e a retirada de fundos dos bancos não cessou desde então. Os juros implícitos da dívida voltaram a subir.
Recusando as condições mínimas para o encerramento do programa de assistência (de modo a receber a última fatia do resgate), excluída dos mercados da dívida e com a cobrança de impostos a descer, a Grécia aproxima-se do fim da linha.
2. A rápida degradação da situação económica e financeira da Grécia não facilita uma saída airosa. É evidente que, se Atenas recusa os necessários compromissos de disciplina orçamental, as três instituições financiadoras (FMI, BCE e Comissão Europeia) não estão disponíveis nem para desembolsar o que resta do plano de resgate ainda em aberto nem para assegurar a assistência financeira posterior, de que o país vai continuar a precisar.
Como ontem afirmava o ministro das finanças francês M. Sapin, "não podemos financiar mais défices da Grécia; não há um único governo na Europa que possa chegar ao seu parlamento ou aos seus eleitores e pedir-lhes que continue a financiar o desequilíbrio orçamental da Grécia". Atenas vai ter de gastar menos do que arrecada (ou vice-versa), assegurando um razoável saldo orçamental primário.
Mantendo o desplante político de que desde o início usa e abusa, o Governo grego ameaça que se entrar em bancarrota será uma catástrofe para a Grécia mas também o princípio do fim da união monetária. É tempo de pôr termo a esta chantagem. O que ameaça a estabilidade, a credibilidade e a integridade da união monetária é manter a todo o custo países que se recusam a cumprir as suas regras.
Depois de ter desbaratado a confiança dos financiadores na sua boa-fé negocial, o governo Syriza põe à prova a sua paciência, depois de meses de arrastamento de pseudo-negociações sem resultado palpável. Parafraseando Cícero, a questão é saber até quando a Grécia poderá continuar a abusar da nossa paciência.