terça-feira, 30 de setembro de 2014

NADA CONTRA AS LOIRAS...



    Um jovem ventríloquo estava a fazer um espectáculo num bar duma cidade do interior.
Estava a exibir o seu repertório habitual sobre a burrice das loiras, quando uma loiraça sentada na quarta mesa se levantou e disse:
-Já ouvi o suficiente das suas piadas a denegrir as loiras, seu idiota. O que é que o faz pensar que pode estereotipar as mulheres dessa maneira? O que é que tem a ver os atributos físicos de uma pessoa com o seu valor como ser humano? São homens como você que impedem que mulheres como eu sejam respeitadas no trabalho e na comunidade, o que nos impede de alcançar o pleno potencial como pessoa! Por sua causa e por causa das pessoas da sua laia perpetua-se a discriminação não só contra as loiras, mas contra as mulheres em geral...tudo em nome do humor!!!

Confuso, o ventríloquo começou a pedir desculpas, e a loira diz:
- O senhor não se meta. Estou a falar com esse rapazinho que está sentado no seu lado.

domingo, 28 de setembro de 2014

AS MÃOS DE QUEM TRABALHA...





Um jovem foi se candidatar a um alto cargo em uma grande empresa . Passou na entrevista inicial e estava indo ao encontro do diretor para a entrevista final. O diretor viu seu CV, era excelente. E perguntou-lhe:
- Você recebeu alguma bolsa na escola? - o jovem respondeu - Não.
- Foi o seu pai que pagou pela sua educação?
- Sim - respondeu ele.
- Onde é que seu pai trabalha?
- Meu pai faz trabalhos de serralheria.

O diretor pediu ao jovem para mostrar suas mãos.
O jovem mostrou um par de mãos suaves e perfeitas.

- Você já ajudou seu pai no seu trabalho?
- Nunca, meus pais sempre quiseram que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, ele pode fazer essas tarefas melhor do que eu.

O Diretor lhe disse:
- Eu tenho um pedido: quando você for para casa hoje, vá e lave as mãos de seu pai. E venha me ver amanhã de manhã.

O jovem sentiu que a sua chance de conseguir o trabalho era alta!

Quando voltou para casa, ele pediu a seu pai para deixá-lo lavar suas mãos.
Seu pai se sentiu estranho, feliz, mas com uma mistura de sentimentos e mostrou as mãos para o filho. O rapaz lavou as mãos de seu pai lentamente. Foi a primeira vez que ele percebeu que as mãos de seu pai estavam enrugadas e tinham muitas cicatrizes. Algumas contusões eram tão dolorosas que sua pele se arrepiou quando ele a tocou.
Esta foi a primeira vez que o rapaz se deu conta do significado deste par de mãos trabalhando todos os dias para pagar seus estudos. As contusões nas mãos eram o preço que seu pai teve que pagar por sua educação, suas atividades escolares e seu futuro.
Depois de limpar as mãos de seu pai, o jovem ficou em silêncio organizando e limpando a oficina do pai. Naquela noite, pai e filho conversaram por um longo tempo.

Na manhã seguinte, o jovem foi encontra-se com o Diretor.
O diretor percebeu as lágrimas nos olhos do moço quando ele perguntou:
- Você pode me dizer o que você fez e aprendeu ontem em sua casa?
O rapaz respondeu:
- Lavei as mãos de meu pai e também terminei de limpar e organizar sua oficina. Agora eu sei o que é valorizar, reconhecer. Sem meus pais, eu não seria quem eu sou hoje... Por ajudar o meu pai agora eu percebo o quão difícil e duro é para conseguir fazer algo sozinho. Aprendi a apreciar a importância e o valor de ajudar a família.

O diretor disse:
- Isso é o que eu procuro no meu pessoal. Quero contratar uma pessoa que possa apreciar a ajuda dos outros, uma pessoa que conhece os sofrimentos dos outros para fazer as coisas, e que não coloca o dinheiro como seu único objetivo na vida. Você está contratado.

Uma criança que tenha sido protegida e habitualmente dado a ela o que quer, desenvolve uma mentalidade de "Tenho direito" e sempre se coloca em primeiro lugar. Ignora os esforços de seus pais.
Se somos esse tipo de pais protetores, estamos realmente demonstrando amor ou estamos destruindo nossos filhos?
Você pode dar ao seu filho uma casa grande, boa comida, educação de ponta, uma televisão de tela grande... Mas quando você está lavando o chão ou pintando uma parede, por favor, o faça experimentar isso também . Depois de comer, que lave os pratos com seus irmãos e irmãs. Não é porque você não tem dinheiro para contratar alguém que faça isso; é porque você quer amar do jeito certo. Não importa o quão rico você é, você quer entender. Um dia, você vai ter cabelos brancos como a mãe ou o pai deste jovem.

O mais importante é que a criança aprenda a apreciar o esforço e ter a experiência da dificuldade, aprendendo a capacidade de trabalhar com os outros para fazer as coisas.

(Tradução da postagem de Adri Gehlen Korb)
 — comPedro Milca Guilhem.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

COMO IR PARA AUSTRÁLIA-VIVER E TRABALHAR...



Como ir para a Austrália – Viver e Trabalhar

Tenho a certeza que agora é que chamei a vossa atenção para este artigo. É a primeira coisa que se ‘googla’ quando se pensa em mudar para este país. Mas como diria o Saul no Breaking Bad: “Let’s start with some tough love…”. Emigrar para a Austráliaé complexo. Não é impossível mas deveras complexo.
Para começar temos de nos fazer três perguntas:

Quero Ir? Posso ir? Consigo ir?

1. Quero Ir?

A Austrália é a coisa mais longe de Portugal. Depois disto só mesmo a Nova Zelândia e depois a Lua. E mesmo assim conseguimos ver a Lua de Portugal. Temos que ter mesmo a certeza que queremos deixar a família e a nossa zona de conforto a mais de 18.000 km de distância. Num país que não faz parte da união europeia, (mas mesmo sendo tugas temos vários acordos, a isenção de exames na substituição da carta de condução é apenas uma) temos acesso a regras de trabalho diferentes especialmente para ‘visitors’ (que é o estatuto que temos até obter a tão desejada residência permanente, que torna tudo mais fácil).
Mas iria estar a mentir se dissesse que os país é MUITO diferente. É tipo Inglaterra mas com o tempo do Algarve – :) – mas a distância é algo a considerar. A emigração do ‘juntar dinheiro para levar para casa’ já não existe. Pelo menos para os comuns dos mortais europeus. A não ser que sejam emigrantes americanos a ganhar bem na Alemanha. O Euro forte faz com que não se levem muitos AUDs na conversão. Ao vir para cá, o melhor é mesmo despachar o carro e a mota e mais algumas coisas que tenham, porque este país proporciona-vos uma boa oportunidade de qualidade de vida, mas trabalhando e vivendo por aqui.
No artigo da próxima semana irei mostrar as diferenças nos preços e no custo de vida. Não apenas no exclusivo ponto de vista da conversão da moeda, porque temos que ter em consideração o rendimento médio do país e do estado onde estamos.

2. Posso ir?

Esta é a segunda questão. Muita pesquisa fiz para saber se podia vir. Não estamos na união europeia onde nos podemos movimentar para todo o lado. Para entrar no país precisamos de um visto. De turista, de trabalho, de estudante, seja do que for. Até mesmo o de turista tem de ser solicitado pela net. Mas é GRÁTIS :) Os mais cobiçados, sem dúvida, são os de trabalho. www.immi.gov.au é o site a consultar. Aqui estão todas as opções que dispomos. Patrocinado (457), skilled migrant, entre outros, existem vários.
Nunca escondo informação nem a realidade ao meu filho. Por exemplo, desde muito pequeno ensinei a ele palavras como cara#$/ e fod#$/^. Mas ensinei também que são asneiras e não se podem dizer. O mesmo vos digo em relação a vir com visto de turista e arranjar trabalho ilegal. O visto de turista tem uma duração de 12 meses. Mas não podem permanecer no país mais de 3 meses seguidos. Mas podem ir a Nova Zelândia passar o fim-de-semana e regressar e ficam com mais 3 meses. Mas os srs. da emigração não são burros e a 2ª ou 3ª entrada, cruzam os vossos dados com o $$$ que têm e onde estão hospedados. Se não têm um visa cheio de $$$ e são apenas turistas, a vossa sustentabilidade é colocada em causa. O mesmo se passa no arranjar por aqui um biscate. O emigrante ilegal é sempre explorado e não é porque a Austrália é um país rico e desenvolvido que não existe gente sem escrúpulos. Não se deixem colocar numa situação delicada e de risco.
Video Conferencia - Australia
E tenham cuidado com esses planetas de informação que vendem facilidade em troca de $$. Não é um visto de estudante ‘à pressa’ que compra o vosso futuro. Nem tudo o que reluz é ouro.
Agora, preparar a vossa vinda com uma lista de empresas, possíveis candidatas a empregadores e vir passar uns ‘dias de ferias para conhecer o pais’, depois mandar um bilião de cv’s parece ser já qualquer coisa de interessante. A Austrália tem necessidade de skilled migrants. Pessoas com qualificação e experiência. Certifiquem-se que podem demonstrar isso de forma rápida e eficaz, depois de aqui estar, fica mais fácil a entrevista, que é uma das coisas mais difícil de conseguir, não estou com isto a dizer que é impossível, porque eu fiz a minha por Skype.
Tem tudo a ver com a vossa especialidade e demanda… e sorte… ou melhor perseverança, porque o sucesso é o fim de várias tentativas… e até para sair o euromilhões temos mesmo que jogar!

3. Consigo ir?

Depois disto tudo será que consigo fazer face a estas premissas todas? E o meu vencimento, irá me dar sustentabilidade? Os ‘visitor’ não têm direito ao SNS (chamado aqui de Medicare), temos de ter um seguro de saúde privado. Os nosso filhos irão ter de pagar uma fee anual para poder ingressar na escola pública. O alojamento leva uma talhada grande do rendimento.
Sydney - Australia 2As viagens só de ida para a Austrália, em Junho até não são caras e a alimentação também não, e estou a falar de comprar em supermercados e comer em casa. (E como o trabalho aqui é todo ele bem pago, uma ida ao restaurante (excepto fast food) pode sair cara. Um almoço de 3 rapidamente chega aos 80$)
Uma coisa é certa, minha folha de excel foi toda ela feita no T2 do Infantado. Como há muita informação na net (mesmo muita) façam uma folha com 12 meses do vosso dia-a-dia (despesas, luxos, etc) e pesquisem o rendimento médio por aqui. Depois pesquisem quanto custam essas mesmas coisas. Se já passaram pela situação de mudar de uma outra cidade para Lisboa, por exemplo, (como foi o meu caso no passado) então usem a mesma folha, dá sorte! :D Imobiliárias, supermercados, transportes públicos, comunicações, chicotes de bondage… encontram tudo. No artigo da próxima semana irei mostrar as diferenças nos preços e no custo de vida. Não apenas do exclusivo ponto de vista da conversão da moeda porque temos que ter em consideração o rendimento médio do país e do estado onde estamos.
Para concluir:
A Austrália é um país de OPORTUNIDADES. Não de emprego garantido. Mas neste momento parece-me que o que faz falta ao comum do tuga é isso mesmo… Oportunidades! O resto terão de ser vocês mesmo a fazer. Irei ajudar a reunir o máximo de informações que possam precisar e que estejam ao meu alcance, mas por favor não me peçam dicas de emprego. Não vou poder responder. Não sei. Volto a relembrar que não me posso fazer substituir por nenhuma instituição. As informações são baseadas na minha experiência pessoal… Vale o que vale.
Vá a ver… Façam o trabalho de casa bem feito se quiserem mesmo vir. Mais faz quem quer, do que quem pode!
Saúde e Sorte
Tiago Bruno
tiagojbruno@gmail.com

sábado, 20 de setembro de 2014

ESTOU CANSADO...

Bill Cosby "I'm 74 and Tired" (Born July 12th. 1937)
Descrição: 96883F17-0519-47E5-AD5D-D7672C082AC8@dlt.dccnet.com

Tenho 74 anos e estou cansado"

Tenho 74 anos e estou cansado. Exceto um breve período na década de 50, quando fiz o meu serviço militar, tenho trabalhado duro desde que eu tinha 17 anos. Trabalhava 50 horas por semana, e não caí doente em quase 40 anos. Tinha um salário razoável, mas não herdei o meu trabalho ou o meu rendimento. Eu trabalhei para chegar onde estou, e cheguei economizando muito, mas estou cansado, muito cansado.

Estou cansado de que me digam que eu tenho que "distribuir a riqueza" para as pessoas que não querem trabalhar e não têm a ética de trabalho. Estou cansado de ver que o governo fica com o dinheiro que eu ganho, pela força, se necessário, e o dá a vagabundos com preguiça para ganhá-lo.

Estou cansado de ler e ouvir que o Islamismo é uma "religião da paz", quando todos os dias eu leio dezenas de histórias de homens muçulmanos a matar suas irmãs, esposas e filhas pela "honra" da sua família; de tumultos de muçulmanos sobre alguma ligeira infração; de muçulmanos a assassinar cristãos e judeus porque não são "crentes"; de muçulmanos queimando escolas para meninas; de muçulmanos apedrejando adolescentes, vítimas de estupro, até a morte, por "adultério"; de muçulmanos a mutilar o genital das meninas, tudo em nome de Alá, porque o Alcorão e a lei Sharia diz para eles o fazerem.

Estou cansado de que me digam que por "tolerância para com outras culturas" devemos deixar que Arábia Saudita e outros países árabes usem o dinheiro do petróleo para financiar mesquitas e escolas madrassas islâmicas, para pregar o ódio na Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, Estados Unidos e Canadá, enquanto que ninguém desses países está autorizado a fundar uma sinagoga, igreja ou escola religiosa na Arábia Saudita ou qualquer outro país árabe, para ensinar amor, tolerância e paz.

Estou cansado de que me digam para eu baixar o meu padrão de vida para lutar contra o aquecimento global, o qual não me é permitido debater.

Estou cansado de que me digam que os toxicodependentes têm uma doença, e eu tenho que ajudar no seu tratamento e pagar pelos danos que fazem. Eles procuraram sua desgraça. Nenhum germe gigante os agarrou e encheu de pó branco seus narizes nojentos, ou à força injetou porcaria em suas veias asquerosas.

Estou cansado de ouvir ricos atletas, artistas e políticos de todas os partidos falarem sobre erros inocentes, erros estúpidos ou erros da juventude, quando todos sabemos que eles pensam que seus únicos erros foi serem apanhados. Estou cansado de pessoas sem senso do direito, sejam elas ricas ou pobres.

Estou realmente cansado de pessoas que não assumem a responsabilidade por suas vidas e ações. Estou cansado de ouvi-las culpar o governo e a sociedade de discriminação pelos "seus problemas."

Também estou cansado e farto de ver homens e mulheres serem repositório de pregos, pinos e tatuagens de mau gosto, tornando-se assim pessoas não-empregáveis e, por isso, reivindicando dinheiro do governo (Dos impostos pagos por quem trabalha e produz).

Sim, estou muito cansado. Mas também estou feliz por ter 74, porque não vou ter de ver o Mundo que essas pessoas estão CRIANDO.

Mas estou triste por minha neta e os seus filhos. Graças a Deus estou no caminho de saída e não no caminho de entrada.

Não há maneira de isto ser amplamente divulgado... A menos que cada um de nós colabore, enviando e ganhando força para contrariar esse (mau) caminho que o Mundo, por força de (péssimos) governantes, nos está proporcionando.


Esta é sua chance de fazer a diferença.
Descrição:   C7FB19B0-2D5E-4E69-850C-4B341DA210E2@dlt.dccnet.com

" I'm 74 and I'm tired.
(Tenho 74 e estou cansado)
Você estará muito cansado para enviar isto?



sexta-feira, 12 de setembro de 2014

O INÍCIO DUMA CAMINHADA...

REFORMAS POR TEMPO DE SERVIÇO - Leia é importante

FAMILIARES, AMIGOS, COLEGAS, CONHECIDOS... VAMOS ADERIR À PRESENTE "PEC" (PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL), DE INICIATIVA POPULAR.
Se hoje todos nós temos que trabalhar 35 anos para conquistar a reforma, eles também podem fazer por merecer...
Vamos acreditar que é possível mudar este país. Depende de nós começarmos este movimento, ou então achar que não vale a pena e ficarmos apenas reclamando.
Atenção PORTUGAL tem que ser agora.

É assim que começa.
Peço a cada destinatário para encaminhar este e-mail a um mínimo de vinte pessoas da sua lista de endereços, e pedir a cada um deles para fazer o mesmo.
Dentro de três dias, a maioria das pessoas em Portugal terá esta mensagem. Esta é uma ideia que realmente deve ser considerada e repassada para o Povo.
Lei de Reforma da Assembleia
(emenda à Constituição)
PEC de iniciativa popular:
Lei de Reforma da Assembleia (proposta de emenda à Constituição)
1. O deputado será assalariado somente durante o mandato. Não haverá 'reforma pelo tempo de deputado', mas contará o prazo de mandato exercido para agregar ao seu tempo de serviço junto ao INSS referente ao seu trabalho como cidadão normal.
2 A Assembleia (deputados e funcionários) contribui para o INSS. Toda a contribuição (passada, presente e futura) para o fundo actual de reforma da Assembleia passará para o regime do INSS imediatamente. Os senhores deputados participarão dos benefícios dentro do regime do INSS, exactamente como todos outros portugueses. O fundo de reforma não pode ser usado para qualquer outra finalidade.
3. Os senhores deputados e assessores devem pagar os seus planos de reforma, assim como todos os outros portugueses.
4 Aos deputados fica vedado aumentar os seus próprios salários e gratificações fora dos padrões do crescimento de salários da população em geral, no mesmo período.
5. Os deputados e seus agregados perdem os seus actuais seguros de saúde, pagos pelos contribuentes, e passam a participar do mesmo sistema de saúde do povo português.
6. A Assembleia deve igualmente cumprir todas as leis que impõe ao povo português, sem qualquer imunidade que não aquela referente à total liberdade de expressão quando na tribuna da Assembleia.
7. Exercer um mandato na Assembleia é uma honra, um privilégio e uma responsabilidade, não uma carreira. Os deputados não devem "servir" mais de duas legislaturas consecutivas.
8. É vedada a actividade de lobista ou de 'consultor' quando o objecto tiver qualquer laço com a causa pública. "
Se cada pessoa reenviar esta mensagem para um mínimo de vinte pessoas, em três dias a maioria das pessoas em Portugal receberá esta mensagem.
PEC - Proposta de Emenda Constitucional - .
É ASSIM QUE VOCÊ PODE CONSERTAR A ASSEMBLEIA E OS PARTIDOS.
Se você concorda com o exposto, REPASSE. Caso contrário, basta apagar e dormir sossegado.
Por favor, mantenha esta mensagem CIRCULANDO para que possamos ajudar a reformar Portugal.

NÃO SEJA ACOMODADO.....
NÃO ADIANTA SÓ RECLAMAR...
NÃO CUSTA NADA REPASSAR......
FAÇA COMO EU. REENVIE!!!

terça-feira, 2 de setembro de 2014

TER ESPERANÇA? NÃO SEI SE VALE A PENA!

PORQUE É QUE NÃO VALE MUITO A PENA TER ESPERANÇA …




... como no Inferno quando se entra pela porta maldita e se deixa a dita esperança à entrada. Agosto é um bom mês para percebermos tudo. Milhares e milhares de jovens que não lêem um livro, passam o mês em festivais no meio do lixo, do pó, da cerveja e dos charros. Milhares e milhares de adultos vão meter o corpo na água e na areia, sem verdadeira alegria nem descanso. Outros muitos milhares de jovens e adultos nem isto podem fazer porque não tem dinheiro. No interior, já que não há correios, nem centros médicos, nem tribunais, proliferam as capitais, da chanfana, do caracol, do marisco, do bacalhau, dos enchidos, da açorda, as "feiras medievais" de chave na mão, as feiras de tudo e mais alguma coisa desde que não sejam muito sofisticadas. Não é uma Feira da Ciência, nem Silicon Valley. 

As televisões, RTP, SIC e TVI “descentralizam-se” e fazem arraiais com umas estrelas pimba aos saltos no palco, mais umas “bailarinas”, nem sequer para um grande público. Incêndios este ano há pouco, pelo que não há imagens fortes, ficamos pelo balde de água. Crimes violentos “aterrorizam” umas aldeias de nomes entre o ridículo e o muito antigo, que os jornalistas que apresentam telejornais com tudo isto gostam de repetir mil vezes. Felizmente que já começa outra vez a haver futebol, cada vez mais cedo. O governo, com excepção das finanças e dos cortes contra os do costume, não governa, mas isso é o habitual. 

A fina película do nosso progresso, cada vez mais fina com a crise das classes ascendentes, revela à transparência todo o nosso ancestral atraso, ignorância, brutalidade, boçalidade, mistura de manha e inveja social. No tempo de Salazar falava-se do embrutecimento dos três f: futebol, Fátima e fado. Se houvesse Internet acrescentar-se-ia o Facebook como o quarto f. Agora não se pode falar disso porque parece elitismo. Áreas decisivas do nosso quotidiano hoje não são sujeitas à crítica, porque se convencionou que em democracia não se critica o "povo".

Agosto é um grande revelador e um balde de água fria em cima da cabeça para aparecer na televisão ou no You Tube. Participar num rebanho, mesmo que por uma boa causa, podia pelo menos despertar alguma coisa. Nem isso, passará a moda  e esquecer-se-á a doença. Pode ser que para o ano a moda  seja meter a cabeça numa fossa séptica, a favor da cura do Ebola.

Assim não vamos a lado nenhum. Como muito bem sabem os que não querem que vamos a qualquer lado.