quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

ASSESSORES & ASSESSORAS, ETC. E TAL...

Só porque a senhora é mesmo atraente, o pessoal foi “vasculhar” para saber quem era “tão bela peça”…e vejam o que saiu…


     https://3.bp.blogspot.com/-AroZl_AyHNE/UuGlNQW9pGI/AAAAAAAAJhM/Co-UQ-X_e9w/s1600/carla-mouro.png
 
Eu não sabia! Mas fiquei agora a saber, graças ao Cristiano Ronaldo, que há uma assessora para os Assuntos da Juventude e Desporto, de seu nome
Carla Mouro, mas diga-se em abono da verdade. uma bonita assessora,
E, claro, à boa maneira portuguesa logo a inveja se fez sentir, em comentários sobre o tamanho da saia da Carla…!

Este caso despertou-me a curiosidade de saber, afinal, quantos assessores ou consultores tem a Presidência da República ao seu serviço. Aqui fica a lista para vossa apreciação;      

ELEMENTOS QUE INTEGRAM A CASA CIVIL

Chefe da Casa Civil
– José Manuel Nunes Liberato
Assessora do Presidente da República
– Ana Palha
Consultora
– Teresa Sanches
Assessoria para as Relações Internacionais
Assessora
– Luísa Bastos de Almeida
Consultor para as Relações Internacionais e Comunidades Portuguesas
– Mário Martins
Consultora
– Maria Manuel Morais e Silva
Consultora
– Raquel Oliveira Martins
Assessoria para os Assuntos Políticos
Assessor para os Assuntos Parlamentares e Autarquias Locais
– Nuno Sampaio
Assessor
– Ademar Vala Marques
Consultor
– António Araújo
Consultor para os Assuntos Políticos e da Sociedade
– José Luís Jacinto
Consultor
– Fernando Lima
Adjunta
– Teresa Byrne
Assessoria para os Assuntos Jurídicos e Constitucionais
Assessora
– Ana Martinha
Assessor
– Gonçalo Matias
Consultor para os Assuntos de Justiça
– António Macedo Almeida
Consultor para os Assuntos Constitucionais
– Carlos Blanco de Morais
Assessoria para a Juventude, Educação, Ciência e Ambiente
Assessora para a Educação
– Suzana Toscano
Consultor para o Ambiente, a Ciência e o Mar
– Tiago Pitta e Cunha
Consultora para os Assuntos da Juventude e Desporto
Carla da Cruz Mouro
Assessoria para a Segurança Nacional
Consultor
e Secretário do Conselho de Estado
– Abílio Morgado
Assessoria para os Assuntos Económicos e Empresariais
Assessor
– Joaquim José Miranda Sarmento
Consultor para os Assuntos Económicos
– Luís Bernardes
Consultor para os Assuntos Económicos
– João Borges de Assunção
Consultor para os Assuntos Empresariais
– Pedro de Almeida
Consultor para a Inovação
– Jorge Portugal
Consultor para os Assuntos Agrícolas e o Mundo Rural
– Armando Sevinate Pinto
Consultor para os Assuntos Europeus
– Vítor Martins
Assessoria para os Assuntos Sociais
Consultor
– David Justino
Consultor para os Assuntos da Saúde
– Manuel Antunes
Consultora para os Assuntos da Política de Saúde
– Clara Carneiro
Consultor para os Assuntos de Trabalho
- António Nunes de Carvalho
Consultora para os Assuntos Sociais
– Maria Luísa Cunha
Assessoria para os Assuntos Culturais
Consultor
– Diogo Pires Aurélio
Consultora
– Ana Maria Bustorff Martinho
Assessoria para a Comunicação Social
Assessor
– José Carlos Vieira
Consultora
– Ana Zita Gomes
Gabinete do Cônjuge
Assessora
– Margarida Mealha

Perante esta amostra, não é difícil entender porque razão, 
a nossa Presidência da República gasta 5 vezes mais que a Casa Real Espanhola!

Mas ainda falta preencher umas vagas:
 
  Assessor para os assuntos da jardinagem. 
  Assessor para observação meteorológica.
  Assessor dos assessores.
  Assessor para observação dos assessores que se encontram ausentes   a assessorar quem necessita ser assessorado.
                                                         
 Tudo um fartar vilanagem, e depois admiram-se que ainda haja quem queira o retorno do ano 1580

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

MINHA PRIMA LAURA...





Descobri que meus antepassados eram Italianos, o meu sobrenome (Querido), nasceu lá, talvez em Veneza, nas minhas próximas férias, vou ver se encontro alguém parecido comigo, ou quem sabe, a minha prima Laura.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

QUERO VER A COR DE UMA NOVA LIBERDADE...

 TEXTO DE JÚLIO ISIDRO ENVIADO POR UM AMIGO

       
 
NÃO, NÃO ESTOU VELHO!!!!!! 
NÃO SOU É SUFICIENTEMENTE NOVO  PARA  JÁ SABER TUDO!
Passaram 40 anos de um sonho chamado Abril.
E lembro-me do texto de Jorge de Sena…. Não quero morrer sem ver a cor da liberdade.
Passaram quatro décadas e de súbito os portugueses ficam a saber, em espanto, que são responsáveis de uma crise e que a têm que pagar…. civilizadamente,  ordenadamente, no respeito  das regras da democracia, com manifestações próprias das democracias e greves a que têm direito, mas demonstrando sempre o seu elevado espírito cívico, no sofrer e ….calar.
Sou dos que acreditam na invenção desta crise.

Um “directório” algures  decidiu que as classes médias estavam a viver acima da média. E de repente verificou-se que todos os países estão a dever dinheiro uns aos outros…. a dívida soberana entrou no nosso vocabulário e invadiu o dia a dia.
Serviu para despedir, cortar salários, regalias/direitos do chamado Estado Social e o valor do trabalho foi diminuído, embora um nosso ministro tenha dito decerto por lapso, que “o trabalho liberta”, frase escrita no portão de entrada de Auschwitz.
Parece que  alguém anda à procura de uma solução que se espera não seja final.
Os homens nascem com direito à felicidade e não apenas à estrita e restrita sobrevivência.
Foi perante o espanto dos portugueses que os velhos ficaram com muito menos do seu contrato com o Estado  que se comprometia devolver o investimento de uma vida de trabalho.Mas, daqui a 20 anos isto resolve-se.
Agora, os velhos atónitos, repartem o dinheiro  entre os medicamentos e a comida.
E ainda tem que dar para ajudar os filhos e netos num exercício de gestão impossível.
A Igreja e tantas instituições de solidariedade fazem diariamente o miagre da multiplicação dos pães.
 Morrem mais velhos em solidão, dão por eles pelo cheiro, os passes sociais impedem-nos de  sair de casa,  suicidam-se mais pessoas, mata-se mais dentro de casa, maridos, mulheres e filhos mancham-se  de sangue , 5% dos sem abrigo têm cursos superiores, consta que há cursos superiores  de geração espontânea, mas 81.000  licenciados estão desempregados.
Milhares de alunos saem das universidades porque não têm como pagar as propinas, enquanto que muitos desistem de estudar para procurar trabalho.
Há 200.000 novos emigrantes, e o filme “Gaiola Dourada”  faz um milhão de espectadores.
Há terras do interior, sem centro de saúde, sem correios e sem finanças, e os festivais de verão estão cheios com bilhetes de centenas de euros.
Há carros topo de gama para sortear e auto-estradas desertas. Na televisão a gente vê gente a fazer sexo explícito e explicitamente a revelar histórias de vida que exaltam a boçalidade.
Há 50.000 trabalhadores rurais que abandonaram os campos, mas  há as grandes vitórias da venda de dívida pública a taxas muito mais altas do que outros países intervencionados.
Há romances de ajustes de contas entre políticos e ex-políticos, mas tudo vai acabar em bem...estar para ambas as partes.
Aumentam as mortes por problemas respiratórios consequência de carências alimentares e higiénicas, há enfermeiros a partir entre lágrimas para Inglaterra e Alemanha para ganharem muito mais do que 3 euros à hora, há o romance do senhor Hollande e o enredo do senhor Obama que tudo tem feito para que o SNS americano seja mesmo para todos os americanos. Também ele tem um sonho…
Há a privatização de empresas portuguesas altamente lucrativas e outras que virão a ser lucrativas. Se são e podem vir a ser, porque é que se vendem?
E há a saída à irlandesa quando eu preferia uma…à francesa.
Há muita gente a opinar, alguns escondidos com o rabo de fora.
E aprendemos neologismos como “inconseguimento” e “irrevogável” que quer dizer exactamente o contrário do que está escrito no dicionário.
Mas há os penalties escalpelizados na TV em câmara lenta, muito lenta e muito discutidos, e muita conversa, muita conversa e nós, distraídos.
E agora, já quase todos sabemos que existiu um pintor chamado Miró, nem que seja por via bancária. Surrealista…
Mas há os meninos que têm que ir à escola nas férias para ter pequeno- almoço e almoço.
E as mães que vão ao banco…. alimentar contra a fome , envergonhadamente , matar a fome dos seus meninos.
É por estes meninos com a esperança de dias melhores prometidos para daqui a 20 anos, pelos velhos sem mais 20 anos de esperança de vida e pelos quarentões com a desconfiança de que não mudarão de vida, que eu não quero morrer sem ver a cor de uma nova liberdade.
Júlio Isidro


segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

sábado, 15 de fevereiro de 2014

NEGOCIATAS...

Coleção Miró


                          Tal qual recebi...






A Colecção Miró, um lote de 85 obras, composto por óleos, guaches e desenhos, foi adquirido pelo Banco Português de Negócios (BPN), gerido por José Oliveira Costa, a um coleccionador japonês em 2006.
Em 2007 a leiloeira Christie's avaliou a colecção em 81,2 milhões de euros e, algum tempo depois, a mesma leiloeira avaliou-a em 150 milhões.
Estas avaliações foram feitas quando a colecção pertencia ao BPN, enquanto banco privado.
Em Novembro de 2008, o BPN foi "nacionalizado" -apenas o lixo tóxico- e, depois de todas as aventuras e desventuras que decorreram da sua nacionalização, a Parvalorem-veículo estatal criado para gerir os activos tóxicos do BPN- através da sua administração, tornou a venda da Colecção Miró, uma das suas principais prioridades tendo, no final de 2013, "fechado" o negócio com a Christie's.
A Parvalorem não cumpriu os prazos legais estabelecidos na Lei de Bases do Património Cultural para pedir a devida autorização para a saída das peças para o estrangeiro e, embora com o parecer negativo da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), a 21 de Janeiro de 2014, as obras já estavam expostas na leiloeira Christie’s, em Londres.
Agora vem a notícia mais interessante:
Enquanto a Colecção Miró foi propriedade privada, foi avaliada pela Christie's por valores que ultrapassaram os 150 milhões de euros; agora que a mesma colecção é propriedade do Estado Português, a mesma leiloeira avaliou-a em apenas 36 milhões.
Para a palhaçada ser mais engraçada posso acrescentar que as condições da Christie's são estas: a licitação da venda da obra é de 36 milhões, sendo esta a importância a entregar ao Estado Português; tudo o que ultrapassar esse valor será propriedade da leiloeira.
Perceberam a jogada?
Uma providência cautelar "barrou" a concretização do negócio que, além de ilegal é um crime de lesa-pátria; entretanto, a Christie's já fez saber que continua interessada no negócio. Claro... tenho a certeza que sim...
Alguém tem dúvidas sobre a "transparência" destas negociatas?
Alguém, ainda, duvida de que esta genteestá UNICAMENTE ao serviço do capital explorador nem que tenhamos que ficar sem pele?


sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

VERGONHA DAS VERGONHAS...

Assunto: VERGONHA DAS VERGONHAS - LEI 64/2013 de 27 de Agosto.






quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

DIFERENÇAS ENTRE RICO E POBRE...

Diferencas

>Rico com uniforme: Coronel
>Pobre com uniforme: Porteiro
>Rico com arma: Praticante de tiro
>Pobre com pistola: Marginal
>Rico de unhas pintadas: Playboy
>Pobre de unhas pintadas: Boiola
>Rico com maleta: Executivo
>Pobre com maleta: Office-Boy
>Rico com chofer: Milionario
>Pobre com chofer: Preso
>Rico com sandalias: Turista
>Pobre de sandalias: Favelado
>Rico que come muito: Bem alimentado
>Pobre que come muito: Esfomeado
>Rico na mesa de bilhar: Elegante
>Pobre na mesa de bilhar: Viciado em jogo
>Rico lendo jornal: Intelectual
>Pobre lendo jornal: Desempregado
>Rico se coando: Alergico
>Pobre se coando: Sarnento
>Rico correndo: Esportista
>Pobre correndo: Ladrao
>Rico vestido de branco: Doutor
>Pobre vestido de branco: Pai de Santo
>Rico pescando: Lazer
>Pobre pescando: Atoa
>Rico subindo o Morro: Rapel
>Pobre subindo o Morro: Voltando para casa
>Rico em restaurante: Cliente
>Pobre em restaurante: Garcom
>Rico bem vestido: Executivo
>Pobre bem vestido: Estelionatario
>Rico barrigudo: Bem sucedido
>Pobre barrigudo: Com vermes
>Rico coando a cabea: Pensando
>Pobre coando a cabea: Piolhento
>Rico com curativo: Band-aid.
>Pobre com curativo: Fita isolante.
>Rico parado na rua: Pedestre.
>Pobre parado na rua: Suspeito.
>Rico de terno: Empresario.
>Pobre de terno: Defunto.
>Rico dirigindo: Proprietario do carro.
>Pobre dirigindo: Chofer.
>Rico na loja: "Compro agora..."
>Pobre na loja: "Estou so dando uma olhadinha..."
>Rico chorando: Sensivel.
>Pobre chorando: Fraco.
>Rico traido: Adulterio.
>Pobre traido: Corno.
>Rico com dor de barriga: Infeccao Intestinal.
>Pobre com dor de barriga: Caganeira.