CAMINHADA DO PAI NATAL!

terça-feira, 9 de abril de 2013

CORTAR ONDE NÃO SE DEVE TOCAR...


Professores Cortes anunciados por Passos trazem "consequências nefastas" para ensino
A Associação Nacional dos Professores Contratados (ANVPC) considera que eventuais cortes na Educação, anunciados pelo primeiro-ministro no domingo, terão "consequências nefastas na qualidade do ensino" público.
Cortes anunciados por Passos trazem consequências nefastas para ensino
DR
PAÍS
"Numa área que foi fustigada nos últimos anos por sucessivos cortes orçamentais, reduzindo cada vez mais as condições para que se proporcione um ensino de excelência, reforçar os cortes na Educação como contrapartida dos artigos que foram chumbados pelo Tribunal Constitucional, constituiria (mais) um sério revês para a qualidade, o rigor e a excelência que se pretende para o ensino, e para Portugal", refere a ANVPC, em comunicado.
A estrutura representativa dos professores contratados refere que se está "perante um problema de dimensão nacional", pelo que "o alegado corte nas despesas da área de Educação deve mobilizar todos os agentes educativos".
"A forte oposição a medidas que representem o acentuar do desinvestimento na Educação deve ser suportada por todos os agentes educativos, nomeadamente os representantes dos Encarregados de Educação, pois é a qualidade do ensino que vai ser ministrado a todos os jovens que será posta em causa!", defende a associação no documento.
A Fenprof e a FNE consideraram também hoje que a necessidade de cortar despesa pública, nomeadamente na Educação, anunciada domingo pelo primeiro-ministro, poderá pôr em causa a gratuitidade do ensino obrigatório, porque os gastos no sector estão no mínimo.
“A Educação já funciona nos mínimos, está quase reduzida a serviços mínimos e as escolas estão sem recursos, sem dinheiro, sem professores, sem funcionários e sem material, portanto não há possibilidade de haver mais cortes”, defendeu o presidente da Federação Nacional dos Professores (Fenprof).
Por isso, afirmou Mário Nogueira, o corte na despesa da Educação só pode passar por três áreas: “privatização, despedimentos e/ou mobilidade especial e tentativa de nova redução dos salários”.
PUB

Estas possibilidades levaram a Fenprof a reforçar uma iniciativa já marcada para terça-feira e que visa reunir com professores em todas as escolas do país para preparar “uma grande luta e perguntar aos professores".
O presidente da Fenprof admite que a acção, denominada "Mobilização Geral dos Professores" e cujo lema é “Tolerância zero para com este Governo e esta Política”, poderá chegar a várias formas de protesto, “incluindo a realização de greves nos períodos dos exames finais”.
A gratuitidade do ensino obrigatório é também uma preocupação do presidente da Federação Nacional de Educação (FNE), João Dias da Silva, que entende ser "uma opção impensável" a possibilidade de se passar a pagar pelo ensino básico e preparatório.
O primeiro-ministro anunciou no domingo que o Governo recusa aumentar impostos e vai reduzir a despesa pública com a segurança social, saúde, educação e empresas públicas, para compensar o "chumbo" de normas do Orçamento pelo Tribunal Constitucional.

1 comentário:

  1. Cortes na saúde
    Na educação cortes são
    Enterrá-los no açude
    Dentro de um buracão.

    Enforcar o culpado
    Do chumbo acontecido
    Depois de ter acusado
    Indulto, não reconhecido.

    Muito falam do buraco
    Que herdaram do outro
    O Sócrates, é um fala barato
    O Coelho é, um louco, perigoso!

    Boa terça-feira para ti amigo António
    um abraço, Eduardo.

    ResponderEliminar