CAMINHADA DO PAI NATAL!

segunda-feira, 29 de abril de 2013

UM ANO A CAMINHAR...

Um ano a caminhar pelo trabalhador, o trabalhador português que após a revolução dos cravos viu nascer a esperança da aquisição de direitos que nos últimos anos tem vindo a perder, mas com o mesmo sacrifício de resistência, contra quem tem tudo sem nada fazer, o povo trabalhador irá vencer!
A Europa precisa de um 25 de abril, para poder festejar com alegria o 1º de maio...Seguimos em frente com esta caminhada difícil, mas não impossível! VIVA O 1º DE MAIO.

Parabéns à "Caminhada do Oeste", OBRIGADO, aos acompanhantes!

Ainda há cravos para oferecer, àqueles que do lado do povo tiverem a coragem de libertar este nosso jardim.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

MENINA DO MAR...


Menina do Mar,
desse mar
que é teu também,
trazes nos olhos
a sua água,
a sua revolta,
a tua mágoa...
mas também
a água pura
do seu conforto,
da sua ternura,
quando está calmo.

Esse mar
que tu adoras,
esse mar
onde tu moras
e te dá
a força
e, quiçá,
a serenidade
do teu porvir,
a felicidade
de te ver sorrir
quando o beijas
e nele encontras
o refúgio
para as tristezas
e desafios
da tua vida,
quando sentes
a alma vencida
e as incertezas
te dão guarida.

Nem sabes
como gosto
desse mar
onde gostaria
de me banhar,
nessas águas
me refrescar
ou até...naufragar.


Zé Páscoa

quinta-feira, 18 de abril de 2013

ONDE ESTÁ O OUTRO...

Roubar e ser julgado em Portugal, é estar no paraíso.

MULHERES SEXUALMENTE ABUSADAS EM HOSPITAL...


Detido suspeito de abusar sexualmente de mulheres internadas em hospital

Factos ocorreram entre 2007 e 2012 numa unidade hospitalar do Porto. A mais nova das mulheres abusadas tinha 17 anos de idade.
O suspeito, de 36 anos, não tem antecedentes criminais RUI GAUDÊNCIO
Um enfermeiro de 36 anos suspeito de abusar sexualmente de três mulheres internadas num hospital do Porto foi detido pela Polícia Judiciária, avançou este organismo num comunicado divulgado nesta quinta-feira. Não foi possível ainda apurar em que hospital ocorreram os abusos que levaram à detenção do suspeito.
Os factos, avança a PJ, terão sido praticados entre 2007 e 2012, quando o indivíduo, “a pretexto da prática de actos de enfermagem”, se aproveitava do “estado de fragilidade física e sobretudo psicológica das doentes”. A mais nova das mulheres abusadas tinha 17 anos de idade.
A detenção do suspeito, que não tem antecedentes criminais, foi concretizada na sequência de mandados emitidos pelo Ministério Público. Não são conhecidas ainda as medidas de coacção a que o homem foi sujeito depois de ouvido por um juiz em primeiro interrogatório judicial.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

CORTEM AQUI...


cortem aqui...

não as cabeças, mas as mordomias desta gente.

E para que são 230 deputados?
(Do blog figueirense "Pessoal da Corda")
Achei interessante trazer comigo na minha "Caminhada"

terça-feira, 9 de abril de 2013

CORTAR ONDE NÃO SE DEVE TOCAR...


Professores Cortes anunciados por Passos trazem "consequências nefastas" para ensino
A Associação Nacional dos Professores Contratados (ANVPC) considera que eventuais cortes na Educação, anunciados pelo primeiro-ministro no domingo, terão "consequências nefastas na qualidade do ensino" público.
Cortes anunciados por Passos trazem consequências nefastas para ensino
DR
PAÍS
"Numa área que foi fustigada nos últimos anos por sucessivos cortes orçamentais, reduzindo cada vez mais as condições para que se proporcione um ensino de excelência, reforçar os cortes na Educação como contrapartida dos artigos que foram chumbados pelo Tribunal Constitucional, constituiria (mais) um sério revês para a qualidade, o rigor e a excelência que se pretende para o ensino, e para Portugal", refere a ANVPC, em comunicado.
A estrutura representativa dos professores contratados refere que se está "perante um problema de dimensão nacional", pelo que "o alegado corte nas despesas da área de Educação deve mobilizar todos os agentes educativos".
"A forte oposição a medidas que representem o acentuar do desinvestimento na Educação deve ser suportada por todos os agentes educativos, nomeadamente os representantes dos Encarregados de Educação, pois é a qualidade do ensino que vai ser ministrado a todos os jovens que será posta em causa!", defende a associação no documento.
A Fenprof e a FNE consideraram também hoje que a necessidade de cortar despesa pública, nomeadamente na Educação, anunciada domingo pelo primeiro-ministro, poderá pôr em causa a gratuitidade do ensino obrigatório, porque os gastos no sector estão no mínimo.
“A Educação já funciona nos mínimos, está quase reduzida a serviços mínimos e as escolas estão sem recursos, sem dinheiro, sem professores, sem funcionários e sem material, portanto não há possibilidade de haver mais cortes”, defendeu o presidente da Federação Nacional dos Professores (Fenprof).
Por isso, afirmou Mário Nogueira, o corte na despesa da Educação só pode passar por três áreas: “privatização, despedimentos e/ou mobilidade especial e tentativa de nova redução dos salários”.
PUB

Estas possibilidades levaram a Fenprof a reforçar uma iniciativa já marcada para terça-feira e que visa reunir com professores em todas as escolas do país para preparar “uma grande luta e perguntar aos professores".
O presidente da Fenprof admite que a acção, denominada "Mobilização Geral dos Professores" e cujo lema é “Tolerância zero para com este Governo e esta Política”, poderá chegar a várias formas de protesto, “incluindo a realização de greves nos períodos dos exames finais”.
A gratuitidade do ensino obrigatório é também uma preocupação do presidente da Federação Nacional de Educação (FNE), João Dias da Silva, que entende ser "uma opção impensável" a possibilidade de se passar a pagar pelo ensino básico e preparatório.
O primeiro-ministro anunciou no domingo que o Governo recusa aumentar impostos e vai reduzir a despesa pública com a segurança social, saúde, educação e empresas públicas, para compensar o "chumbo" de normas do Orçamento pelo Tribunal Constitucional.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

A MENTIRA DE PASSOS...


A mentira de Passos
08:45 - 01 de Abril de 2013
Faz precisamente hoje, segunda-feira, dois anos que Pedro Passos Coelho, na altura candidato social-democrata às legislativas de 2011, garantiu aos portugueses que não iria cortar o 13º mês, classificando essa possibilidade como um “disparate”. Mas o certo é que, dois anos passados, e entre tantas outras medidas de austeridade aplicadas entretanto, além de uma pequena ‘omissão’ pelo meio, o 13º mês já lá vai.