segunda-feira, 24 de setembro de 2012

QUANDO O CARNEIRO RECUA, A MARRADA É MAIS FORTE!


foto JORGE AMARAL/GLOBAL IMAGENS
Aumento do IRS paga fim da TSU e devolução de subsídios ao público
Reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, em Lisboa
 
"O Governo está, nesta altura, a preparar uma proposta que vise devolver parcialmente os subsídios de Natal e de férias ao setor público e aos reformados e pensionistas, compensando essa devolução parcial com a distribuição por todos os portugueses - por todo o setor não público e não reformados e pensionistas, portanto, pelo setor privado também - das medidas que deverão compensar esta perda de poupança", anunciou Pedro Passos Coelho.
O primeiro-ministro não quantificou a devolução parcial dos subsídios de férias e de Natal ao setor públcio e aos reformados e pensionistas, nem o valor do aumento de impostos, prometendo comunicar "a muito breve prazo" este "novo desenho".
O primeiro-ministro disse que o "reescalonamento do IRS" e impostos "sobre o património e o rendimento de capitais" fazem parte das propostas desenhadas pelo Governo para substituir a queda da alteração da TSU, apresentadas aos parceiros sociais, em reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, esta segunda-feira, em Lisboa.
"O imposto privilegiado para compensar a queda da alteração da TSU é o IRS", disse Pedro Passos Coelho, que interrompeu a reunião com os parceiros sociais para anunciar estas propostas.
"Removida a alteração à TSU", o Governo "comprometeu-se a explorar com os parceiros sociais medidas favoráveis ao combate e ao desemprego e a competitividade das empresas", disse Passos Coelho, antes de voltar para a reunião.

1 comentário:

  1. Lá isso é verdade
    Mas também pode os cornos partir
    Nem sempre se torna realidade
    O caminho que se pensa seguir!

    Às vezes se encontram obstáculos
    Que obrigam outro se construir
    Com as ordens vindas dos troikanos
    As esperanças são poucas para se poder sorrir

    Continuação de boa semana para ti, amigo António,
    um abraço
    Eduardo.

    ResponderEliminar