sexta-feira, 16 de junho de 2017

DE REGRESSO ÀS CAMINHADAS À BEIRA-MAR...

Pela fresca brisa da tarde, de regresso às minhas caminhadas começando no 5º molhe e acabando à beira-rio em Cova-Gala, o meu paraíso.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

ATÉ DOI A QUEM ESTÁ LONGE...

 Ver um povo irmão debaixo de fogo!

E os culpados com o seu corpinho protegido pela areia que nem o rabo fica de fora para não ser pisado.

terça-feira, 16 de maio de 2017

A CAMINHADA DE WINSTON CHURCHILL...


Aplicável a outras religiões também.

Winston Churchill anteviu isto há mais de 100 anos (ver nota no final)


IRÃO 1970
 d59f33cf56ca61eff96bf361106198e3@iol.pt
IRÃO 2012
1344e9cbfa6610a324062d6f51b45c42@iol.pt
AFEGANISTÃO
93ed945e7efc6194859bd77ab586104f@iol.pt

EGIPTO (Universidade do Cairo) 1959
d4779846bb27153076e8e3b1775e227c@iol.pt

EGIPTO (Universidade do Cairo) 2012
3b7f7cead63618e07baf87eeea12c27e@iol.pt

HOLANDA (Amesterdão) 1980
b5ef37dbcf9d1df67b7edae40e1a29e1@iol.pt
HOLANDA (Amesterdão) 2012
ac7b7aed13e588f6183a7dc278630d1c@iol.pt
... E algumas pessoas todavia não vêem uma razão para se preocuparem.

Winston Churchill disse em 1899: 
“Os muçulmanos podem mostrar qualidades esplêndidas, mas a influência da religião paralisa o desenvolvimento social daqueles que a seguem. Não existe nenhuma força tão retrógrada mais forte no mundo”.

5d65744f5152bbd8e8cfa3a8f082ead0@iol.pt
Ainda mais surpreendente é que nunca tenham sido publicadas mais cedo.
 
CHURCHILL sobre o Islão... Incrível, mas o seguinte discurso foi escrito em 1899.
(Abstraindo-nos da sua nacionalidade)
O breve discurso feito por Winston Churchill, data de 1899, quando ele ainda era um jovem soldado e jornalista.
Seguramente, este discurso exprime a opinião actual de muitos, e está expresso na sua maravilhosa fraseologia, utilizando obviamente o idioma Inglês, do qual ele era um ilustre mestre.
Sir Winston Churchill foi sem dúvida um dos maiores homens dos séculos XIX e XX. E foi um valente e jovem soldado, e um jornalista brilhante, um político, um grande líder, um extraordinário estadista durante a segunda guerra mundial, e um excelente Primeiro-Ministro. 
Além disso, foi como que um profeta no seu tempo. Faleceu em 24 de Janeiro de 1965, com a idade de 90 anos, e depois de uma vida de serviço ao seu país, foi-lhe concedido um funeral de chefe de Estado.
 
E aqui está o seu discurso:
Quão terríveis são as maldições que o maometismo dedica aos seus devotos!
Além do frenesim fanático, que é tão perigoso num homem como o é a hidrofobia num cão, não existe neles a apatia fatalista do medo.
Os efeitos são evidentes em muitos dos seus países: hábitos imprevisíveis, desleixados, inexistência de sistemas modernos para a agricultura, métodos lentos de comércio, e insegurança da propriedade são sempre características com que os seguidores do Profeta se defrontam, ou sob as quais vivem.
O sensualismo degradante priva as suas vidas de graça e de requinte, e afasta-os da dignidade e de qualquer santidade.
O facto de que, no direito muçulmano, cada mulher deve pertencer a um homem como sua propriedade absoluta, seja ela uma criança, uma mulher  adulta, ou uma concubina, faz atrasar a extinção final da escravidão dos dogmas da fé do Islão e contribui para que o islamismo não consiga ser um grande poder entre os homens.
Os muçulmanos individualmente podem mostrar qualidades esplêndidas, mas a influência da sua religião paralisa o desenvolvimento social daqueles que o seguem. Não existe nenhuma força retrógrada mais forte no mundo.
Longe de ser moribundo, o islamismo é uma fé militante e proselitista.
E já se espalhou por toda a África Central, criando guerreiros destemidos a cada passo e, se não se cuidar, o cristianismo, que está abrigado nos braços fortes da ciência, ciência contra a qual eles lutaram em vão, e toda a civilização da Europa moderna podem soçobrar, tal como soçobrou a civilização da Roma antiga.


Sir Winston Churchill; (Fonte: "O rio da guerra", primera edição, Vol II, páginas 248-250 Londres).ê